<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6248200\x26blogName\x3dora+foda-se+!\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://quimoncada.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://quimoncada.blogspot.com/\x26vt\x3d-3681883649187318741', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

 

ATENÇÃO CAMBADA! A informação, que de se seguida iram aceder é alvo de conteúdo meramente fictício e tudo que se assemelha com a realidade é uma verdadeira coincidência. As pessoas com extrema sensibilidade não deveram aceder a informação contida neste blog e deveram ignorar apagando esta janela!

 


Policial de e-mail

vale a pena ler !

O meu nome é Afonso Soares de Melo, e resolvi contar uma coisa que se passou comigo.
Estava eu sentado no meu escritório quando me lembrei de uma chamada telefónica que tinha que fazer. Encontrei o número e marquei.

Atendeu-me um tipo mal humorado dizendo
- Diga!!!
- Bom dia. Poderia falar com a Andreia?

O tipo do outro lado resmungou algo que não percebi desligou o telefone na minha cara.
Eu não podia acreditar que existisse alguém tão malcriado.
Depois disso, procurei na minha agenda o número correcto da Andreia e liguei.
O problema era que eu tinha invertido os dois últimos dígitos do seu número.

Depois de falar com a Andreia, observei o número errado, ainda anotado em
cima da minha mesa. Decidi ligar de novo. Quando a mesma pessoa atendeu, eu disse
- Você é um filho da puta!!!
Desliguei imediatamente e anotei ao lado do número a expressão "filho da puta" e deixei o papel sobre a minha agenda.
Assim, quando estavanervoso com alguém, ou num mau momento do dia,ligava para ele e, quando ele atendia, dizia-lhe "Você um filho da puta" e desligava sem esperar pela resposta.
Isto fazia-me sentir realmente muito melhor.

Acontece que a Portugal Telecom introduziu o novo serviço RDIS de identificação de chamadas, o que me deixou preocupado e triste porque teria que deixar de ligar para o "filho da puta".
Então, tive uma ideia disquei o seu número de telefone, ouvi a sua voz a dizer "Está" e mudei de identidade

-Boa tarde, estou a ligar da área de vendas da Portugal Telecom para saber
se o senhor conhece o nosso serviço de identificação de chamadas RDIS.
-Não estou interessado! - disse ele, e desligou na minha cara.

O tipo era mesmo mal-educado.Rapidamente, disquei novamente

- Está? -É por isso que você é um filho da puta!!! -e desliguei.

Aqui vai uma sugestão: se existe alguma coisa que o está realmente a incomodar, você sempre pode fazer alguma coisa para se sentir melhor basta discar 21- 0764367 ou o número de qualquer outro filho da puta que você conheça e diga a ele o que ele realmente é.

Acontece que eu fui até ao shopping, no centro da cidade, comprar umas camisas. Uma senhora estava a demorar muito tempo para tirar o carro de uma vaga no estacionamento. Cheguei a pensar que nunca mais fosse sair.
Porfim, o seu carro começou a mover-se e a sair lentamente do seu espaço.

Dadas as circunstâncias, decidi fazer marcha atrás com o meu carro um pouco
para dar à senhora todo o espaço que fosse necessário para ela sair.

"Até que enfim que se vai embora", pensei. De repente, apareceu um Vectra preto vindo do outro lado do estacionamento e entrou de frente na vaga da senhora pela qual eu estava à espera.
Comecei a tocar a buzina e a gritar
-Eh amigo, não pode fazer isso! Eu estava aqui primeiro...!
O fulano do Vectra limitou-se a sair do carro, fechou a porta e ligou o alarme, caminhando no sentido do shopping e ignorando a minha presença,como se nada tivesse ouvido. Perante a sua atitude, pensei "esse tipo é um grande filho da puta!

De certeza que há uma data de filhos da puta neste mundo!".
Foi então que reparei que o tipo tinha uma folha de papel A4 com um telefone colada no vidro do Vectra. Então, anotei o seu número telefónico e procurei outra vaga para estacionar. Alguns dias depois, estava sentado no meu escritório e acabara de desligar o telefone - após ter discado o 21-0764367 do meu velho "amigo" e dizer "Você é um filho da puta" (agora já émuito fácil ligar, pois tenho o número dele na memória do telefone), quandovi o número que tinha anotado do tipo do Vectra preto e pensei "Devia ligar para esse tipo também".
E foi o que fiz.
Depois de um par de toques, alguém tendeu
- Está? -Estou a falar com o senhor que está a vender um Vectra preto?
- Sim, é o próprio.
- Poderia dizer-me onde posso ver o carro?
- Sim, eu moro na Rua XV, n.º 527. É uma casa amarela e o Vectra está estacionado em frente.
- Qual é o seu nome?
- O meu nome é Eduardo Cerqueira Marques - disse o tipo.
- Qual é a hora mais apropriada para eu me encontrar consigo,Eduardo?
- Pode-me encontrar em casa à noite e aos fins de semana.
- É o seguinte Eduardo, posso-lhe dizer uma coisa?
- Sim...
- Eduardo, você é um grande filho da puta!!! - e desliguei o telefone.

Depois de desligar, coloquei o número do telefone do Eduardo (que parecia não ter RDIS, pois não fui importunado depois de ter falado com ele) na memória do meu telefone.

Agora, tinha um problema: eram dois "filhos da puta" a quem ligar.

Depois de alguns telefonemas ao par de "filhos da puta" e de lhes desligar, a coisa não era tão divertida como antes. Este problema parecia-me muito sério.
Pensei numa solução. Em primeiro lugar, liguei para o "filho da puta 1". O tipo, mal-educado como sempre, atendeu

- Alô - e então eu disse

- Você é um filho da puta - mas desta vez não desliguei. O "filho da puta1"
disse
- Ainda estás aí, desgraçado?

- Siiimmmmmmmm, amooooor!!! - respondi a rir.
- Pára de me telefonar, meu filho da mãe - disse ele, irritadíssimo.
- Não paro, não, filho da putinha querido!!!
- Qual é o teu nome, piolhoso? - berrou ele, descontrolado.
Eu, com uma voz séria de quem também está so, respondi
- O meu nome é Eduardo Cerqueira Marques, seu filho da puta.Porquê?
- Onde é que moras, que eu vou aí dar cabo de ti,desgraçado?
gritou.
- Você acha que eu tenho medo de um filho da puta? Eu moro na Rua XV,
n.º527, numa casa amarela, e o meu Vectra preto Está estacionado em frente, seu palhaço filho da puta. E agora, vais fazer o quê???? - gritei eu.

- Eu vou até aí agora mesmo, meu. É bom que comeces a rezar, porque vou-te
fazer a folha - rosnou ele.
- Uuiii! Ai é? Já estou cheio de medo, filho da puta. És uma merda!
E eu estou à porta de casa à tua espera!!! - e desliguei o telefone.

Liguei imediatamente para o "filho da puta 2".
- Está? - atendeu ele.- Olá, meu grande filho da puta!!! - disse.
- Meu, se te apanhar vou...
- Vais o quê? O que é que vais fazer??? Filho da puta!
- Vou dar-te chutos na boca até ficares sem dentes, meu!!
- Achas que eu tenho medo de ti, filho da puta? Vou-te dar uma grande oportunidade de tentares dar chutos na minha boca, pois estou a ir para a tua casa, meu filho da puta!!! E depois de rebentar-te a fronha, vou partir todos os vidros dessa merda desse Vectra que tens. E reza para que eu não deite fogo a essa casa amarela de paneleiro. Se és homem, espera por mim à porta dentro de 5 minutos, meu filho da puta!!! - e bati com o telefone no gancho.

Fiz logo outra chamada, desta vez para a Polícia e, com uma voz afectada e chorosa, disse que estava na Rua XV, n.º 527, e que ia matar o meu namorado homossexual assim que ele chegasse a casa. Finalmente, peguei no telefone e liguei para a SIC, a dizer que estava prestes a começar uma cena de pancadaria de um marido que ia voltar mais cedo para casa para apanhar o amante da mulher, que morava na Rua XV, n.º 527.

Depois de fazer isto, peguei no meu carro e fui para a Rua XV, n.º 527, para ver o espectáculo.

Foi demais, observar um par de "filhos da puta" a agredirem-se à frente de duas equipas de reportagem, até à chegada de 3 viaturas da Polícia,
a qual levou os dois algemados e bastante maltratados para a esquadra.

A moral da história?

Não tem moral nenhuma! E, já agora, veja lá se atende o telefone educadamente, pois posso ser eu a ligar para si, por engano...

caçado no mail
« Voltar | Proximo »
| Proximo »
| Proximo »
| Proximo »
| Proximo »
| Proximo »
| Proximo »
| Proximo »
| Proximo »
| Proximo »

» Enviar um comentário